Resenha – Sniper Americano

s2

Um dos concorrentes ao Oscar 2015 é Sniper Americano. O filme já me cativou pelo trailer e me ganhou por completo assim que acabou. Além de se tratar de uma história real, o que faz com que tudo se torne mais interessante, a atuação do Bradley Cooper foi incrível, fez com que eu me conectasse com o personagem e sentisse intensamente as emoções pelas quais ele estava passando nas cenas. Cada momento de tensão que acabava eu percebia que voltava a respirar junto com ele e isso foi incrível.

Por ser um filme de ação eu imaginei que não fosse achar tão interessante mas a parte dramática do enredo fez com que eu me encantasse na hora. Chris Kyle era um cawboy Texano que aprendeu a atirar na infância ao lado de seu pai, com 11 anos. Sem ver futuro algum como cowboy e após o 11 de sembro, resolve lutar pelo seu país, algo que fez pensando em toda a educação que teve perante seu pai. Assim que entra para as Forças Especiais da Marinha Americana, sai para comemorar com seus amigos e conhece Taya (Sienna Miller) no bar, sua futura noiva, mulher e mãe de seus filhos.

Logo no casamento recebe a notícia que teria que partir em alguns dias para o Iraque, atuando como sniper e protegendo os soldados americanos. Nessa primeira missão supreende a todos e logo recebe, merecidamente, o reconhecimento de “mito” dentre os soldados.

O lado heroico da trama toda é realmente interessante porém o que mais cativa e fez com que Bradley concorresse ao prêmio é o lado psicológico do sniper. Alguém que mata mais de 150 pessoas em guerra fica abalado e se recuperar não é uma tarefa simples. A batalha interna que Chris Kyle enfrentou durante a sua vida foi maior do que qualquer guerra que ele tenha atuado.

Veja o trailer:


Recomendo a todos que confiram o filme, acima de tudo pela atuação incrível do Bradley!

Giovanna

Anúncios